AS PALAVRAS COLABORAM COM A VELA DA PAZ - 2013

AS PALAVRAS COLABORAM COM A VELA DA PAZ - 2013
TRAZIDA DA ILHA DA SEREIA - LINDALVA

sábado, 21 de setembro de 2013

A VIDA COM O SEU ETERNO FAZ DE CONTA E A MORTE DOS SONHOS ADIADOS...


 A morte dos sonhos adiados!

A Vida dos nossos dias são um eterno faz-de-conta...
Faz de conta que somos felizes...
Faz de conta que está tudo bem...
Faz de conta que não existem problemas...
Faz de conta... faz de conta... faz de conta...

- Finalmente descobri que quando estou mal bloqueio... bloqueio o que me rodeia... me desligo e fico numa semi-apatia não querendo ver, nem ouvir ou falar com alguém... Fecho-me, isolo-me e fujo até de mim...

Mas houve um tempo que não era bem assim, conseguia fazer de conta que driblava tudo e revertia as situações. Anos e anos fazendo de conta que não chorava, que os problemas iam e vinham sem que para mim apresentassem dificuldades que eu não conseguisse resolver...

O tempo em que o sol me nascia entre os dedos... Bebia a vida sequiosamente... Tropeçava no riso... Abraçava a noite molhada de palavras e as sombras se abriam... As noites brilhavam e as palavras ecoavam vibrantes e o Céu era o meu Universo sempre aceso...

Anos e anos a fio fazendo de conta que era uma fortaleza e que não iria dar parte de fraca, nem ninguém me iria ver chorar. Me auto convencia que era superior e invencível à dor... Fazia de conta que era como um Dom Quixote de Saias, alimentando os meus Moinhos de Vento, com uma couraça de alegria...

Depois duma infância de rejeições e cruéis agressões, o desejo de ser feliz era como que uma necessidade imperiosa, eu me cobrava demais e as coisas nem sempre corriam de feição, mas tentava ignorar e fazia de conta que iria dar certo...

Adiei meus sonhos de realização pessoal, deixei minhas artes de lado, para cuidar dos filhos, sem arrependimentos, mas com muitas cobranças...

Sempre me cobrei e lhes cobrei, para que tudo fosse certo e correto demais, como se tivesse o dom da perfeição... Deixei de pensar como ser humano falível... Fiz de conta que era infalível... Ah, ledo engano!

Mas o tempo foi-se esvaindo por entre os dedos... E quando todos os silêncios se transformaram em gritos e quando a noite começou a descer sobre o pensamento, não houve música, nem carícias que aliviassem a tristeza e o pesadelo imenso ao acordar e descobrir que o mundo era o mesmo da noite anterior, que me fazia sentir como uma escrava indefesa perante o "tronco," para ser açoitada... O riso murchou... As sombras se fecharam cada vez mais, as palavras ficaram gritando desilusões ao vento... O pranto rompeu as lágrimas que se gotejavam em sangue e o meu mundo caiu...

O meu "armazém" encheu e deixei de conseguir fazer de conta, quando me dei conta que não tinha sido o peso do sonho que fechou meus olhos, mas sim uma dor imensa e indescritível:

-  A morte dos sonhos adiados!

 
..e as lágrimas gotejavam sangue...

E foi aí que parei de conseguir o joguinho de fazer de conta, por muito que tente não dá mais...

..."vivo ao relento contando estrelas...
sonhando com Tágides...

Ninfas tão belas!"...

By@
Anna D'Castro

Creative Commons License

Todos Direitos Reservados
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

3 comentários:

Nádia Santos disse...

Olá Ana, li teu texto e achei maravilhoso parabéns. Sou amiga da Dorli e lá vi teus comentários e também amei, gostei de tua franqueza e adorei tua atitude de sair em defesa do meu povo. Obrigada e saiba que ganhaste uma nova amiga. Tenho 3 blogs e se for de tua vontade, ficarei muito feliz com tua presença. Também passarei por teus outros espaços. Um carinho beijo e feliz domingo.

=> Gritos da alma
=> Meus contos
=> Só quadras

Anna D'Castro... disse...

Olá querida Nádia

Obrigada pela sua visita, muito me emocionou.

Tudo o que eu tento fazer é pela justiça e contra as injustiças e os rótulos que gostam de colocar em 'todas as pessoas' e nós sabemos que existe o bom e o mau, o belo e o feio, o alegre e o triste, em toda a parte do mundo.

Eu vivo muito feliz aqui no Rio há 15 anos e sei muito bem da tendência perniciosa de dizerem que o brasileiro é falso se faz de 'alegre' mas é fingimento e o povo é abandonado, as crianças são abandonadas, os velhos são abandonados e 'coitadinhos'...

Todos nós sabemos que mesmo debaixo de tantas coisas ruins que acontecem no dia a dia, o povo consegue extrair uma essência positiva e esquecer, mesmo que doa, o lado negativo das coisas menos boas.

Infelicidade só atrai infelicidade e há pessoas, que teimam em não ver isso e parece que é como se fosse um troféu as pessoas se lamentarem sempre e quererem sempre bancar de coitadinhos.

Eu não suporto nem nunca suportei isso.

Olha querida vou visitar os teus blogs com prazer e já agora se quiseres dar um 'pulinho' no Flores Selvagens, lá tem poesia.

Tenho postado um pouco mais no "Palavras... e no Flores", os meus outros estão um pouquinho abandonados, porque eu estive escrevendo um romance que terminei há pouco tempo e os deixei um pouco de lado, mas em breve retomarei todos eles.

Volte sempre será muito bem vinda.

Um beijão

Dorli disse...

Oi Ana!
Nossa!
Quando vi aquele comentário fiquei curiosa e li bem depressa. Poxa você é muito legal, defendeu até uma pessoa que não conhece.
Adorei.
Eu queria saber qual é o blog que você mais atualiza para eu colocar na minha lista de blogues amigos
Um beijo
Lua Singular
Meu e-mail está no meu perfil

Almada e Lisboa... as duas belas cidades beijadas pelo Tejo

Loading...

José Saramago - O Nóbel da Literatura Portuguesa

"PALAVRAS PEQUENAS... PALAVRAS APENAS..."

Ando por aí querendo te encontrar... Em cada esquina paro em cada olhar... Deixo a tristeza... Trago a esperança em seu lugar... Que o nosso amor para sempre VIVA... Minha dádiva quero poder jurar... Que essa paixão jamais será... Palavras Apenas... Palavras Pequenas... Palavras de Momento... Palavras ao Vento!... "Cassia Eller"

AGRADEÇO A SUA VISITA À *SEMENTEIRA DE PALAVRAS*...


11.gif

...VOLTE SEMPRE... DE CORAÇÃO!