AS PALAVRAS COLABORAM COM A VELA DA PAZ - 2013

AS PALAVRAS COLABORAM COM A VELA DA PAZ - 2013
TRAZIDA DA ILHA DA SEREIA - LINDALVA

domingo, 23 de novembro de 2014

AFAGO A SOLIDÃO


AFAGO A SOLIDÃO...

Afago a solidão no silêncio do meu quarto, vazio do teu corpo... vazio de orgasmos... vazio de amor... e nas ausências dos beijos molhados procuro a noite... que se esconde na penumbra das sombras fugidias... mas não há noites tão longas que não encontrem os dias... e os dias são difíceis... e as noites são longas... e as nuvens pesam e a chuva cai... a chuva cai nos meus olhos gota a gota... e lágrimas desaguam no mar salgado das minhas desilusões  até encontrarem as ondas douradas que transbordam de todo o luar...

Afago a solidão como quem morde o silêncio duma alma nua... como quem dança um triste tango de Gardel... ou uma contradança antiga numa noite sem luar... como quem se perde num labirinto sombrio e onde ninguém o pode achar... e ao longe apenas o som dum bater de asas duma borboleta quase moribunda que procura um lugar para descansar...

Afago a solidão quando a dor dum sonho desfeito veste meu corpo de angústias... quando a nostalgia se transforma em mortalha talhada na pedra dura do fracasso... quando o desprezo se mistura em ausência de desejos... quando me escondo na secura amarga duns falsos beijos... nas carícias não sentidas... e nas lágrimas jorradas dum rosto enrugado pelo relógio do tempo que continua marcando o seu fatídico compasso nos ecos duma saudade...

Afago a solidão quando fecho os olhos e sinto o mar acariciando meu corpo sedento do teu... quando as ondas batem suavemente na areia e desnudam minha alma carente dum pouco mais de calor...

Afago a solidão quando os raios da lua cheia salpicam meu rosto de purpurina doce... quando lembro teu nome e o desenho na areia que o mar sempre apaga e me deixa apenas com as lembranças... e com as mágoas que se enraizaram no imo das palavras por dizer...

Afago a solidão quando as tristezas são o refúgio das ilusões perdidas... quando as lágrimas são uma certeza de saudades perfumadas de desejos contidos numa noite sem estrelas... e onde a lua perdeu o luar...

E no silêncio vazio do meu quarto vazio, adormeço nos braços envolventes da saudade... beijo teu corpo nu nas sombras nuas das paredes nuas do meu quarto nu e frio... e sonho com o momento em que, num êxtase de paixão, acaricio esse corpo sem rosto... sorvo esses beijos sem boca... mergulho-me nesse olhar azul do céu dos meus desejos... acaricio tua pele imaginária e escaldante que queima os meus sentidos... embebedo-me com o vinho doce que verte das tuas lágrimas amargas... vibro com as tuas mãos acariciando os recônditos das minhas ilusões... e por fim me afogo no desvario dos nossos corpos molhados de suor e com a ternura dum quente beijo me deixo envolver nos teus abraços imaginários... e adormeço afagando a solidão...

By@
Anna D’Castro


Creative Commons License
 Todos Direitos Reservados
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Nenhum comentário:

Almada e Lisboa... as duas belas cidades beijadas pelo Tejo

Loading...

José Saramago - O Nóbel da Literatura Portuguesa

"PALAVRAS PEQUENAS... PALAVRAS APENAS..."

Ando por aí querendo te encontrar... Em cada esquina paro em cada olhar... Deixo a tristeza... Trago a esperança em seu lugar... Que o nosso amor para sempre VIVA... Minha dádiva quero poder jurar... Que essa paixão jamais será... Palavras Apenas... Palavras Pequenas... Palavras de Momento... Palavras ao Vento!... "Cassia Eller"

AGRADEÇO A SUA VISITA À *SEMENTEIRA DE PALAVRAS*...


11.gif

...VOLTE SEMPRE... DE CORAÇÃO!