AS PALAVRAS COLABORAM COM A VELA DA PAZ - 2013

AS PALAVRAS COLABORAM COM A VELA DA PAZ - 2013
TRAZIDA DA ILHA DA SEREIA - LINDALVA

domingo, 4 de janeiro de 2015

MADRUGADAS...


MADRUGADAS... de Amor

Faz-se tarde amor... e as horas rubras sufocantes... queimam o ar que respiro e me sufoca...  e quanto desassossego existe nas horas mortas do fim de tarde... e o meu peito arde... e tu me persegues como se fosses a minha sombra na madrugada... a sombra que ocupa os meus pensamentos nas horas amargas da madrugada... e o tempo que teima em correr... e eu deixo fluir meus sonhos... como se neles pudesse voar... e os meus sonhos ocupam toda a madrugada... ocupam toda a dimensão do meu pensamento no silêncio da madrugada...

O sereno vai caindo com a brisa da madrugada... e vai deixando o odor a terra fresca com gosto de saudade... que afaga o vagalume com golpes frescos... e ele brilha... brilha... doce... como um favo de mel... rebrilha e pisca... sentindo o aroma suave do rosmaninho na estrada... e nós abraçando as estrelas somos peregrinos das horas mortas... trazemos as loucuras escondidas nas transparências da madrugada...

Como é tarde amor... e quantas recordações guardo dos abraços que um dia se perderam nas longas noites de espera pela realidade ou quimera... e não sei mais inventar uns braços de fortes abraços... que prenderiam meu corpo... que vai, sem rumo, perambulando pelas vielas estreitas... pelas horas escondidas nos recônditos escuros da madrugada...

Envolvemos a alma que já está cansada da longa espera ... a incerteza do instante em que tão perto e tão distante... nos traz o cheiro da madrugada... quente e doce das frutas e das flores... das mangas e das margaridas... das amoras e das maçãs perfumadas de rosas e de jasmins... a madrugada desce pela calada da noite... com seu manto de cetim...

E é já tão tarde meu amor... e continuo perambulando no silêncio das horas caladas... dum destino sem luz... nas madrugadas do meu eterno tormento onde deixo depositado todo o meu descontentamento.

E a tua sombra vai deslizando errante de bar em bar... numa noite de lua cheia... querendo beber todo o luar...

E é já tão cedo meu amor... a lua afagou mais uma madrugada fria com seu doce encanto e agora só nos resta esperar o nascer do dia... e a Dama da Noite com seu perfume doce... também nos espera... ela nos quer envolver com o resto do seu aroma para fechar suas pétalas e adormecer... até renascer na próxima madrugada...

Ao longe um bêbado vai entoando e improvisando uma canção:
“- Triste madrugada foi aquela... que eu perdi meu violão... ela não quis minha serenata... e eu quebrei meu coração...”...


By@ 
Anna D’Castro 

Creative Commons License

Todos Direitos Reservados
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


2 comentários:

Lindalva disse...

Querida Anna a Ilha voltou mas não tive tempo suficiente para vir te abraçar e anunciar da reabertura, mas agora mesmo correndinho e com um texto copiado, pelo que te peço milllllllllllllll desculpas venho te convidar para o começo das festividades pelos 5 anos de Renascimento da Ilha e já antecipo que vamos novamente ter a brincadeira do Top Blogueiro e outra surpresinha :-) topas brincar? Sei que ocorreram desencontros, mas vamos que vamos ok? Um enorme beijo no coração e não vamos deixar a blogosfera fenecer.

Rute disse...

Que lindo transcritos, escrito com a sinceridade da alma
Beijos

Almada e Lisboa... as duas belas cidades beijadas pelo Tejo

Loading...

José Saramago - O Nóbel da Literatura Portuguesa

"PALAVRAS PEQUENAS... PALAVRAS APENAS..."

Ando por aí querendo te encontrar... Em cada esquina paro em cada olhar... Deixo a tristeza... Trago a esperança em seu lugar... Que o nosso amor para sempre VIVA... Minha dádiva quero poder jurar... Que essa paixão jamais será... Palavras Apenas... Palavras Pequenas... Palavras de Momento... Palavras ao Vento!... "Cassia Eller"

AGRADEÇO A SUA VISITA À *SEMENTEIRA DE PALAVRAS*...


11.gif

...VOLTE SEMPRE... DE CORAÇÃO!