AS PALAVRAS COLABORAM COM A VELA DA PAZ - 2013

AS PALAVRAS COLABORAM COM A VELA DA PAZ - 2013
TRAZIDA DA ILHA DA SEREIA - LINDALVA

quarta-feira, 2 de março de 2016

INDIFERENÇA


INDIFERENÇA

Seremos sempre dois caminhos paralelos... caminhando lado a lado... mas sempre longe... tão longe de nós... tão longe de tudo o que nos cerca... indiferentes a tudo o que nos rodeia... caminhando entre nuvens de silêncios e tempestades... caminhamos sem olhar para trás... numa ânsia eterna de chegar a qualquer lugar... ao lado de lá da vida... onde ficou o amor... onde ficou o silêncio... aonde ficaram depositados os sonhos e as recordações dos nossos gritos presos para sempre nas gargantas do silêncio... sufocadas pela indiferença e o desdém que habitam em nossos passos e em nossos corpos cansados...

Cada um de nós tem uma vida a que chama de ‘sua vida’... cada um de nós tem sonhos a que chama de ‘seus sonhos’... e deixa perdido o seu olhar nas brumas da vida que deixou para trás... no esquecimento do tempo... afastando as sombras que caminham paralelas sem nunca se encontrarem... ao longo das manhãs sem destino e das noites que não chegam...

Andamos abandonados nas palavras que não se cruzam... caminhamos pelos espaços em branco... da vida que nos rodeia... nos labirintos em que não nos encontramos... vagamos pela escuridão de todas as ruas... somos como a lua e o sol ... anoitecendo e amanhecendo nas estradas do infinito... vazios de nós... perdidos na correria louca do tempo...  

Aonde foi que nos perdemos? Onde nos deixamos? Num cais perdido sem chegadas nem partidas... duma cidade fantasma perdida no desengano... envolta pela nuvem negra da indiferença e da rotina do dia a dia... vegetamos no cansaço dum futuro incerto onde já não há espaço pra nós dois... vagamos perdidos entre o tempo e o vento!



By@ Anna D’Castro


Creative Commons License

Todos Direitos Reservados
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.




Nenhum comentário:

Almada e Lisboa... as duas belas cidades beijadas pelo Tejo

Loading...

José Saramago - O Nóbel da Literatura Portuguesa

"PALAVRAS PEQUENAS... PALAVRAS APENAS..."

Ando por aí querendo te encontrar... Em cada esquina paro em cada olhar... Deixo a tristeza... Trago a esperança em seu lugar... Que o nosso amor para sempre VIVA... Minha dádiva quero poder jurar... Que essa paixão jamais será... Palavras Apenas... Palavras Pequenas... Palavras de Momento... Palavras ao Vento!... "Cassia Eller"

AGRADEÇO A SUA VISITA À *SEMENTEIRA DE PALAVRAS*...


11.gif

...VOLTE SEMPRE... DE CORAÇÃO!